admunig (1)

Jubileu de Prata – Administração

Ao longo desses 25 anos e, em especial, nos últimos tempos, os Administradores enfrentam cenários cada vez mais complexos compelindo-os a se adaptarem às mudanças tecnológicas e estruturais, organizacionais e mercadológicas, sociais e econômicas que ocorrem em ritmo acelerado nessa era globalizada. No que tange ao Brasil, em particular, uma crise moral e de identidade nacional fica exposta, tal como os escombros da cidade submersa em um reservatório na seca. Paradoxalmente neste ambiente desfavorável é que o Administrador pode mostrar suas potencialidades, pois o terreno é fértil para semear práticas de gestão que transformaram várias partes do mundo, em situações muito adversas e transpuseram as barreiras do improviso, da falta de planejamento, do amadorismo em detrimento ao profissionalismo que insiste prevalecer em quantidade expressiva nas gestões de diversas organizações, públicas e privadas deste imenso país.

Ao completar 25 anos o curso de Administração da UNIG trilhando seu ciclo de vida alcança a pujante posição de destaque na Baixada Fluminense, segundo indicadores de qualidade do MEC. O resultado recente alcançado no CPC, nota 4, numa escala de 1 a 5  , é um processo que teve início em outubro de 1993, quando seu criador, o saudoso Dr. João Batista Barreto Lubanco , protagonista e precursor, incentivador e conselheiro, crítico e  bendizente deu forma e incorporou , o curso de Administração do Campus Nova Iguaçu a Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Aplicadas da UNIG, juntando-se assim ao conceituado curso Jurídico, este já naquele tempo  um conceituado curso e uma referência  na região.

De lá pra cá milhares de atores desempenharam seus respectivos papéis, docentes , funcionários , gestores e colaboradores,  sobretudo discentes, nossos alunos que nutridos de informação crescem  se formam e transformam suas vidas e de quem  os cercam..

Hoje não basta identificar uma necessidade e atendê-la mediante o fornecimento de um produto ou serviço: é preciso fazer um esforço constante de inovação e criatividade para manter a competitividade. O que antes seria um diferencial competitivo é, hoje, um elemento essencial de sobrevivência e precisa de constante renovação para continuar a agregar valor. A conectividade propiciada pela tecnologia do universo digital e virtual exige novas capacidades. Entre elas, um perfil mais humanizado e integrado do profissional, que deve ser capaz de interagir em todos os níveis. O novo perfil do profissional de Administração, delineado na Pesquisa Nacional Perfil, Formação, Atuação e Oportunidades de Trabalho do Administrador identifica, entre outras características, o papel de articulador. Além disso, a pesquisa indica que este profissional deve ter uma formação diversificada, com base não apenas nas especificidades da área e em uma educação formal, mas, também, na experiência individual, potencializada por viagens, leituras e amplo acesso à informação e a manifestações culturais. O novo Administrador precisa ter conhecimento e vivência; ter ainda capacidade de sintonia fina; compreender as necessidades de todos os seus públicos; e saber compartilhar conhecimentos e experiências. Suas decisões deverão estar embasadas numa perspectiva abrangente e participativa. Isso requer fortes habilidades sociais, principalmente de relacionamento e comunicação – inclusive o domínio de outros idiomas e da atuação em rede – além de uma proatividade constante. A característica instável e efêmera do mundo atual exige que o profissional seja capaz de ação e reação em tempo real. Isso pressupõe ter uma visão global e em longo prazo combinada com atividades localizadas e imediatas. Adaptação e flexibilidade tornaram-se qualidades-chave para o exercício profissional. Mais do que nunca, para liderar é preciso garantir a participação dos colaboradores na identificação dos problemas e soluções e saber negociar para construir consensos que facilitem a implementação das decisões tomadas. É cada vez mais extensa a lista de qualidades exigidas do profissional, que vão muito além das especificidades da área: polivalência e multitarefas; responsabilidade e confiabilidade; flexibilidade e adaptação; criatividade e inovação; iniciativa e empreendedorismo; respeito à sustentabilidade ambiental, social e econômica; trabalho em equipe e conexão em rede; capacidade de entrega; ética; entre outras.